Buscar

Tem certeza que eu tenho um filho?

Atualizado: Jan 29

Não deve existir um pai que não se perguntou alguma vez na vida, quando não dormiu a noite toda por conta do filho estar doente, triste ou fora de casa, se existe um manual que o ensine todas as regras para se criar esse pequeno indivíduo, que conseguiu multiplicar o número de responsabilidades e que, caso você erre, vai gerar algumas consequências negativas, e se errar feio, pelo resto da vida.


Ele não existe. Sério. Mesmo que você tente construir esse manual, o máximo que você vai conseguir fazer é mostrar qual o resultado final do seu trabalho de fazer daquele pequeno australopitecoinho um ser humano completo, de alguma forma membro da sociedade em nossa volta. Mas não vai englobar todas as experiências possíveis.


E é por isso que as pessoas desistiram dessa proposta. Boa sorte!

Seguir um manual, possivelmente cair nesse lago e não conseguir sair mais.

Logicamente que uma parte importante do desenvolvimento humano não foi ignorada. O que se fez foi pensar em características que determinassem boas praticas parentais e observar o resultado final delas. Um guia, melhor, uma bússola. E é exatamente sobre isso que vamos conversar hoje. Claro, você já está lendo isso e provavelmente já sabe que vamos falar das boas pr-


Das práticas que geram problemas lá na frente! Claro, como seguir uma bússola, não dá para ser 100% um bom pai, todos os momentos da vida, mas existem estilos que majoritariamente chegam a resultados melhores.

A melhor forma de criar um filho é deixar que ele saia de casa com dez anos e participe de rinhas de galo.

Dos estilos possíveis, queria me focar em um que possui características específicas, daqueles pais que além de cederem a todos os pedidos de seus filhos ou permitir que eles façam como bem entendem, não demonstram carinho pelos seus filhos, como se seus filhos fossem apenas pesos na vida. Alias, nesse caso, não estou incluindo pais que gerem situações abusivas para os seus filhos. Isso é outra coisa.

Criar um filho é sempre de acordo com o contexto, expulsar ele de casa ainda quando bebe pode ser uma atitude de amor.

Pais que permitem que seus filhos façam qualquer coisa geralmente o fazem para ter uma boa relação com eles, para que a criança cresça fazendo as suas escolhas e que tenha boas memórias dos pais. Algo como permitir que o filho tenha tudo o que eles não tiveram na infância. O foco principal é que a criança se sinta bem, se sinta feliz. Mas quando o objetivo do pai é apenas fingir que não tem filhos, a criança não vai aprender a lidar com o mundo nem ter essas boas memórias dos pais. Seria apenas como um vazio paternal.


Crianças criadas dessa forma apresentam comportamentos comuns em pessoas com baixa autoestima, ou seja, acreditam que não são suficientes, que não conseguem realizar as conquistas esperadas por ele. Levando isso em conta é possível ver também comportamentos depressivos, de uso de substâncias e de um baixo desempenho escolar.

Por mais que o Goku tenha ido comprar cigarros mais vezes que o normal, não é dele que estamos falando, ele ainda demonstra carinho pelos filhos.

Logicamente, pais não querem que seus filhos se desenvolvam dessa forma, mas a vida ocorre, ocorre e no fim não olhamos para onde estamos caminhando. Cabe aqui uma reflexão você pai de como está lidando com o seu filho, ou para qum não é, como gostaria de criá-lo. Acho que a primeira coisa e talvez a mais importante é: O quanto de carinho você dá para ele e o quanto você ainda pode dar? Quais as exigências que ele tem na vida, o que devo ou não cobrar dele?


Nada do que conversamos aqui é fácil, mas ciar filhos nunca foi e nunca será. O caminho é árduo e a recompensa maior demora pelo menos 18 anos para aparecer. Mas por hoje é isso! Até a próxima!

Se você está localizado em Sâo Paulo, Santo André, São Bernardo ou São Caetano ou tem facilidade de locomoção pelo metro, venha conhecer as nossas instalações.

A clínica localizada entre a Rua Bom Pastor e a Avenida Nazaré, próximo ao Museu do Ipiranga.

Próximo as estações Alto do Ipiranga e Sacomã da Linha 2 Verde do Metro.

Permita-me participar da sua mudança!

© 2019 por Gustavo Engelmann Cunha.